Se vires estas “coisas” não lhe toques! Andam a aparecer em algumas praias e poucas pessoas sabem o que é!


À primeira vista parecem uma “alga estranha” mas está longe de ser isso! E a maior parte das pessoas desconhece o que seja na realidade!

É sabido que nos oceanos habitam as mais estranhas criaturas do mundo e se tivermos em conta que de toda a imensidão dos oceanos, a ciência não conhece nem metade das espécies, então é um bom motivo para não mexermos em nada que não tenhamos bem a certeza do que se trata!

Por vezes dão à costa os seres mais bizarros e que deixam toda a gente intrigado, são seres que por norma não vemos mas que existem em abundância no mar, em zonas por explorar. É o caso do “objecto” que pode ver nas imagens que se seguem. Um olhar desatento diria que se trata de alguma espécie de “alga estranha”, em forma de rosca, uma vez que as algas também assumem as mais variadas formas… mas não é!

Os “objectos” são escuros, bastante rijos e têm forma de rosca. Parecem até ter saído de um filme de ficção científica, algumas espécie de extra-terrestes… mas também não, embora não deixem de ser algo bastante interessante!

Estas “roscas” são nada mais, nada menos, que ovos de tubarão! Os tubarões dividem-se em dezenas de espécies com algumas diferenças entre elas, não só na aparência como na forma de procriar e “dar à luz”. Algumas espécies dão à luz tubarões que começam quase logo a nadar e a perseguir a mãe, no entanto outras espécies, tal como é o caso do tubarão-martelo, põem este tipo de “ovos”, que têm este formato para ficarem presos à rocha enquanto se desenvolvem, soltando-se deles ao nascer, que mais tarde, após a cria nascer, se desprendem com o movimento da água e acabam à deriva, muitos deles até darem à costa na praia.

Embora a natureza tenha moldado o “ovo” de forma a este ficar preso nas rochas os 7 a 10 meses necessários para o embrião se desenvolver, pode dar-se o caso deste se desprender devido a uma tempestade no mar por exemplo. Por isso, caso veja um destes “ovos”, certifique-se que ele está vazio!


10 Comments

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

  1. Este artigo esta completamente errado…
    Se vires este género de casulos, é sinal que as tuas praias estão muito bem frequentadas, pois estão a gerar vida.
    Normalmente estes cSulos quando vem dar a costanestao vazios quer isto dizer que já n temem utilidade nenhuma, e caso vires estes casulos com vida coloca-os imediatamente na água… estes casulos das fotografias sao de vários generos de peixes… não são só de tubarões…
    Agradecia que retirassem este artigo ou o corrigissem com alguém com sabedoria náutica suficiente para poder dizer que espécies existem em cada casulo.
    Obrigado

    1. Concordo plenamente! Errar é humano… Basta esclarecer que não são mamíferos… As baleias e os golfinhos, sim! Não é preciso insultar a pessoa, pois todos nós já erramos!

  2. O desenvolvimento do embrião pode se dar de suas formas, internamente ou externamente. Portanto os tubarões podem ser ovíparos, ovovivíparo e vivíparos.
    Algumas espécies são ovíparas como a maioria dos outros peixes, colocando seus ovos na água. Na maioria das espécies de tubarões ovíparos, um saco de ovos com a consistência de couro protege o(s) embrião(ões) em desenvolvimento. Uma vez vazio esse é conhecido como “bolsa de sereia” e podem ser levados pelas marés até a terra. Tubarões ovíparos incluem as espécies Scyliorhinidae, Heterodontus francisci, Heterodontus portusjacksoni e Cephaloscyllium ventriosum. Finalmente alguns tubarões mantém um vínculo placentário para os jovens em desenvolvimento, este método é chamado de viviparidade. Este modo é mais parecido à gestação de mamíferos do que a de outros peixes. Os jovens são nascidos vivos e funcionando perfeitamente. O tubarão-martelo, os Carcharhinidae (que inclui o tubarão-cabeça-chata e o tubarão-azul) e os Mustelus são vivíparos. O tubarão-baleia é classificado agora como vivíparo, ao em vez de ovíparo, porque agora se pensa que os ovos extra-uterino podem ter sido abortados.

Send this to a friend