Por vezes dizemos que estamos cansados mas na verdade estamos é tristes!

Há dias ou alturas que nos sentimos sempre cansados e todos os movimentos parecem mais pesados, os reflexos mais demorados, os dias parecem mais longos.

Podes pensar que estas doente, mas na verdade estamos tristes.

No entanto, não existem remédios para curá-la; enquanto essa emoção não se estender ao longo do tempo, interferindo na nossa vida, a tristeza – que não deve ser confundida com a depressão – representa uma oportunidade para crescer como pessoas.

Nosso estado emocional é regulado pelo cérebro:

Em particular, é a amígdala que nos faz sentir esse sentimento de inatividade e esgotamento físico. Uma falta de energia que tem um propósito claro: incentivar a introspecção. Nesses casos, na verdade, o cérebro sugere que chegou a hora de parar e refletir sobre certos aspectos de nossas vidas, que provavelmente devemos mudar.

Portanto, é essencial atentar para essa emoção, pois sinaliza um mal-estar que, se ignorado, pode, com o passar do tempo, se tornar um problema muito mais difícil de gerenciar e resolver.

Longe de desprezá-la, a tristeza tem três virtudes que devemos aprender a reconhecer e aceitar:

1. É um aviso. A perda de energia, fadiga e falta de recursos mentais são apenas os sintomas de um desconforto que diz respeito à necessidade de mudar algo em nossas vidas: devemos entender o que, refletindo.

2. É o resultado de uma recusa. Às vezes, continuamos teimosamente a nos recusar e a não aceitar o fato de ter que mudar alguma coisa – um relacionamento, trabalho, etc.

3. É um instinto de preservação. A tristeza, através do cansaço, nos convida a fazer uma pausa, afastando-nos da correria diária para entender o que está errado em nossas vidas. Somente respondendo a esse chamado do corpo podemos salvaguardar nossa auto-estima e integridade mental.

A mudança em nossas vidas é inevitável e saudável: quanto antes nós a aceitarmos e aprendermos a reconhecer seus sinais, mais cedo iremos desfrutar de uma vida melhor.

Cenas fixes no nosso Instagram: @altamenteorg

Relacionados:

Comentários: