Sabes o que escondem os arquivos secretos do Vaticano?

Talvez nunca tenhas ouvido falar deles, mas os arquivos secretos do Vaticano, guardam segredos que são motivos de diversas teorias desenvolvidas por conspiracionistas e teóricos de várias áreas. O motivo de tanta imaginação pode estar no erro de tradução de uma palavra em latim.

Os arquivos, ou oficialmente Archivum Secretum Apostolicum Vaticanum, contêm registros históricos que falam de eventos que aconteceram ao longo de cerca de 12 séculos do nosso passado. De acordo com o Vaticano, a palavra Secretum que está no nome deveria ser traduzida para pessoal, e não secreto.

Nos documentos, que não escondem nada de realmente secreto, estão cartas pessoais e documentos históricos de papas antigos.

“Segredos” escondidos

Dentre os supostos segredos guardados nos documentos estão cartas e documentos oficiais da igreja. Confere alguns deles.

  • O documento que começou as reformas protestantes, como o decreto de excomunhão de Martin Lutero pelo Papa Leão X, em 1521.
  • Uma petição de 1530 de 85 clérigos e nobres ingleses pedindo ao Papa Clemente VII que o casamento do Rei Henrique VII com Catarina de Aragon fosse anulado, o que acabou por levar ao estabelecimento da Igreja Anglicana.
  • Carta de Michelangelo ao papa com o alerta de que os guardas do Vaticano não recebiam pagamentos pelos seus trabalhos há três meses e ameaçavam deixar os empregos.
  • Cartas de Abraham Lincoln e Jefferson Davis, que tentaram convencer o Papa Pio IX que o sul dos Estados Unidos era inocente.
  • Julgamentos famosos realizados no Vaticano e transcritos em documentos, incluindo o caso dos Cavaleiros Templários no início do século 14 e de Galileu Galilei no século 17.

Conteúdo desagradável

Os Arquivos Secretos foram criados em 1612 pelo Papa Paulo V. Quatrocentos anos depois, em 2012, o Vaticano celebrou a data fazendo com que 100 itens se tornassem disponíveis para consulta pública pela primeira vez. A exibição, que recebeu o nome Lux in Arcana, ajudou a iluminar alguns eventos do passado e trazer informações sobre a postura de alguns papas históricos.

Acesso

Para conseguir acesso aos arquivos, cientistas precisam de apresentar credenciais que precisam ser renovadas a cada seis meses. Uma vez conseguindo acesso, não podem ver quaisquer documentos. Ao invés disso, eles precisam pedir por documentos específicos a partir de catálogos gigantes, com um limite de três pastas por dia.

Caso algum estudioso perceba que o conteúdo que gostaria de estudar não está na pasta escolhida, são obrigados a deixar o estudo de lado, graças às regras locais.

Além disso, apesar de computadores serem permitidos no ambiente, não se pode tirar nenhuma fotografia.

Segue-nos no Facebook: