20 Sinais que o corpo dá se algum tipo de Cancro estiver a crescer dentro de nós! É muito importante conhecê-los!

Ouvir atentamente e entender o que o corpo nos diz pode fornecer algumas dicas úteis e alertar sobre o crescimento de algum tipo da doença no seu interior.

Sintomas indirectos

  • 1. Falta de ar: Pacientes com cancro pulmonar recordam que a falta de ar foi um dos primeiros sintomas que surgiram, mas infelizmente eles não o associaram à doença.
  • 2. Infecções frequentes: Infecções frequentes podem ser outro sinal de que a doença está a instalar-se em algum lugar do corpo, já que ela aumenta a produção de glóbulos brancos e isso impede o combate a infecções.
  • 3. Dificuldade para engolir: Esse sintoma é normalmente associado com o cancro de garganta, mas também pode ser um bom indicador de cancro de pulmão.
  • 4. Fraqueza e fadiga: Esse é um sintoma muito comum, mas que deve ser analisado em conjunto com outros sintomas.
  • 5. Sentir-se cheia e incapaz de comer: Este é um sinal de cancro do ovário. A perda de apetite, mesmo quando não tiver comido por algum tempo, deve mantê-lo alerta.
  • 6. Anorexia: A anorexia pode ser um sinal precoce do cancro de pâncreas. Uma aversão repentina ao café, vinho ou cigarro pode estar ligada a isso também.

Mudanças visíveis no corpo

  • 7. Sangramento retal ou sangue nas fezes: Esse pode ser um sinal da doença no colo-retal. Ver sangue na sanita deve ser um sinal grande o suficiente para visitar um médico imediatamente.
  • 8. Caroços no pescoço, nas axilas ou na virilha: O inchaço dos gânglios linfáticos indica mudanças no sistema linfático, o que pode ser um sintoma de cancro.
  • 9. Hematomas excessivos ou sangramento incessantes: Esses sintomas sugerem anormalidades com as plaquetas e células vermelhas do sangue, o que pode ser um sinal de leucemia.
  • 10. Inchaço ou ganho de peso abdominal repentino: Pacientes com cancro no ovário relataram um inchaço inexplicável que surgiu de repente e continuou a aumentar durante algum tempo.
  • 11. Perda de peso inexplicável: Esse pode ser um sinal precoce de cancro de cólon ou cancro de fígado, afectando o apetite e a capacidade do corpo de se livrar dos resíduos.
  • 12. Peito vermelho, dorido ou inchado: Isso pode indicar cancro de mama e qualquer alteração nesse sentido deve fazê-la visitar um médico imediatamente. Um mamilo que parece achatado, invertido ou virado de lado também pode ser um sinal.
  • 13. Inchaço no rosto: Pessoas que tiverem cancro do pulmão relataram perceber um inchaço incomum no rosto.
  • 14. Feridas que não cicatrizam: Diferentes tipos de cancro de pele podem impedir que feridas cicatrizem ou criem as famosas “casquinhas”.
  • 15. Alterações nas unhas: Pontos de cor preta ou castanha sob as unhas podem indicar cancro de pele. Já unhas pálidas ou brancas podem ser um sinal de cancro de fígado.

Dores

  • 16. Ciclos menstruais muito dolorosos: Esse pode ser um sinal que indica cancro no útero ou no endométrio. Um ultrassom transvaginal deve ser considerado se o problema persistir.
  • 17. Tosse crónica ou dor no peito: Tumores de pulmão apresentam sintomas que podem imitar uma tosse ou bronquite. Alguns pacientes também relataram uma dor no peito que se estendeu até o ombro e para baixo do braço.
  • 18. Dor pélvica ou abdominal: Dor e cólicas na pelve podem estar relacionadas com o cancro de ovário.
  • 19. Dor na parte traseira ou inferior do lado direito: Muitas vezes, esse pode ser um sinal precoce de cancro do fígado ou, até mesmo, cancro da mama.
  • 20. Dores de estômago: Dores de estômago frequentes e muito fortes pode ser um sinal de cancro colo-retal.

Como reduzir os riscos?

  • A vitamina D é uma ótima substância para prevenir a doença. O ideal é tomar de 10 a 20 minutos de sol todos os dias.
  • Mantenha os seus níveis de insulina baixos reduzindo ou eliminando alimentos processados.
  • Praticar exercícios físicos regularmente não só ajuda a manter o corpo em boa saúde como ajuda a manter os níveis de insula baixos, portanto, exercite-se pelo menos 3 vezes por semana.
  • Reduzir a exposição a toxinas ambientais como pesticidas, produtos químicos de limpeza, purificadores de ar sintéticos e poluição do ar também são boas formas de reduzir os riscos da doença.

Segue-nos no Facebook: